27 de dezembro de 2011

FELIZ VIDA NOVA!



   














            
Estou muito feliz! Me sinto plena, abundante!
Cheguei no caminho saudável de minha existência. Virei a curva!
O caminho certo para o coração é o caminho disponível.
Qual é o caminho disponível?
É o caminho do tempo,
Da coexistência,
Da releitura.
Do perdão.
Do amor sensato por mim sem exageros...
Da simplicidade.
Da malandragem de viver.
Da espera como estratégia.
Do deixar transparecer boba para alguns ( parecer sempre esperta é uma carta que nem sempre cai bem no jogo).
Do perder, pra ganhar depois ( engolir sapos sabendo que lá na frente tem um guisado!)
É o caminho que eu não tinha pernas pra andar!
Perna de pau, perna mecânica, meia perna, perna nenhuma!
Aprendi que o centro do mundo
Não é a ponta do meu pé!
Hoje estou disponível
Para aprender sobre vaidades,
Sobre o tempo que passa e não volta mais!
Estou disponível para brigas,
Mas também para a paz.
Estou adorando ser imperfeita!
Disponível para ouvir dos outros quem sou...
Mas não me venha com bobagens!
Adoro uma solidão!
A vida abriu suas portas para mim!
Sim, virei a curva, vejo um lindo horizonte e um tapete vermelho!
Vejo mares bravios, mas várias pontes e caminhos.
Na minha vida há o mestre do mar...
Existiu um tempo em que tive que me desdobrar pra pegar o "jeito" da vida,
Hoje parece que a vida é quem pega o meu jeito!
‘‘A vida é viciada em mim. Só tenho medo que
 ela tome uma overdose’’ - Mario Lago

Um beijo e feliz vida nova pra você também!



12 de dezembro de 2011

ESTATUTO DO NATAL!





Art. I:
Que a estrela que guiou os Reis Magos para o caminho de Belém guie-nos também nos caminhos difíceis da vida.
Art. II:
Que o Natal não seja somente um dia, mas 365 dias.
Art. III:
Que o Natal seja um nascer de esperança, de fé e de fraternidade.
Parágrafo único:
Fica decretado que o Natal não é comercial, e sim espiritual.
Art. IV:
Que os homens, ao falarem em crise, lembrem-se de uma manjedoura e uma estrela, que como bússola, apontam para o Norte da Salvação.
Art. V:
Que no Natal, os homens façam como as crianças:
dêem-se as mãos e tentem promover a paz.
Art. VI:
Que haja menos desânimos, desconfianças,
desamores, tristezas. E mais confiança no Menino Jesus.
Parágrafo único:
Fica decretado que o nascimento de Deus Menino é para todos: pobres e ricos, negros e brancos.
Art. VII:
Que os homens não sigam a corrida consumista de "ter", mas voltem-se para o "ser", louvando o Seu Criador.
Art. VIII:
Que os canhões silenciem, que as bombas fiquem eternamente guardadas nos arsenais, que se ouça os anjos cantarem Glória a Deus no mais alto dos céus.
Parágrafo único:
Fica decretado que o Menino de Belém deve ser reconhecido por todos os homens como Filho de Deus, irmão de todos!
Art. IX:
Que o Natal não seja somente um momento de festas, presentes.
Art. X:
Que o Natal dê a todos um coração puro, livre,
alegre, cheio de fé e de amor.
Art. XI:
Que o Natal seja um corte no egoísmo. Que os homens de boa vontade comecem a compartilhar,
cada um no seu nível, em seu lugar, os bens e conquistas da civilização e cultura da humildade.
Art. XII:
Que a manjedoura seja a convergência de todas as coordenadas das idéias, das invenções, das ações e esperanças dos homens para a concretização da paz universal.
Parágrafo único:
Fica decretado que todos devem poder dizer,
ao se darem as mãos:
FELIZ NATAL!