28 de julho de 2010

CAMINHAR É PRECISO!





Sempre detestei a inércia, a estagnação, mas sempre adorei aquela parte da Bíblia que diz que há um tempo determinado para todas as coisas debaixo do céu...
O que fazer quando nada de novo acontece na sua vida? Note, eu disse NADA DE NOVO! Que ansiedade é esta que sorrateiramente diz ao meu coração que precisa acontecer algo de novo para que eu me convença  de que estou vivendo realmente? Nenhum desastre aconteceu, nenhuma doença, nenhum pesadelo, mas parece que SÓ isso não é suficiente para que eu diga que sou feliz! Para que eu sinta a plenitude da vida é necessário que vários acontecimentos surjam como SIMBOLO de que a vida está andando,caminhando, do contrário serei alvo do diagnóstico de que minha vida está um atraso!
Tenho me convencido de que apenas caminhar é preciso, de que o tempo é de Deus e de que ele é Senhor de tudo! Minhas vontades e mimos não O convencerá contrariando a verdade de que ELE é o Senhor do tempo! Então, porque não descansar? Porque não me concentrar em coisas boas na certeza de que elas acontecerão???

Beijos,beijos e beijos!

27 de julho de 2010

AMIGOS!

Rogéria, Paulinha, eu e Helena - amigas.
Neste dia foi a comemoração do aniversário da Paulinha! Conheço Paulinha desde de 1998 lá do seminário  Teológico que fizemos ( IBER), na época eu tinha 19 anos... essa amizade tem mais de 10 anos! Um dos presentes de Deus para que eu não me sentisse só nessa lida!


        Amigo é melhor que dinheiro!
                   Beijus!                   

16 de julho de 2010

CACHORRO NÃO É CRIANÇA! EU SEI!!!


Gente eu adoro meu cachorro! Por causa disso tenho que ficar ouvindo piadinhas só porque ainda não tenho filhos! Eu heim! As pessoas são neuróticas e acham que todo mundo é também!!! Já falei,  adoro meu cachorro, ele me faz muiiita companhia, ainda mais com os horários diferentes do trabalho do marido ele, o cachorro, me ajuda a não me sentir tão sozinha, mas sei que o retorno de nossa relação, não se compara com o retorno de uma relação com crianças...aáááá! Filhos eu terei quado eu quiser, e se eu não quiser ( mas eu quero rsrs)!!! Olha, mas o bichinho tem umas manias que nos faz rir, ele é ladrão de chinelos, temos dois pares de chinelos cada um, eu e o marido para andarmos dentro de casa, tem horas que procuramos nossos chinelos e adivinha onde está? Na cama do Dimy! Ele deita com todos os chinelos ao seu redor! Hoje o marido foi tomar banho e quando saiu do box, cadê o chinelo? Ele entra no banheiro quietinho e sorrateiramente " rapa" fora com os chinelos na boca! Ele não arrebenta os chinelos como fazem alguns cães, apenas fica lambendo, lambendo! Que gosto né? Mas só lambe o do marido, por quem é apaixonado!!!
Nós somos parecidos com os bichos (ou eles são parecidos com a gente né?!).  Todos  nós temos uma "maniazinha" ou  uma "neurosezinha". As minhas  manias e neuroses eu não conto nem  por  um decreto rs! Quer contar as suas?!
Antes eu achava que os bichos não iriam para o céu, mas agora, que me perdoem os intelectuais da teologia, eu acho que lá no céu vai ter bicho sim! rsrsrsrs...coisas de Jussara!
Abraço de chuva pra você! Daqui ouço o barulho gostoso da chuva lá fora...

Ah, essa paixão não é só minha, confira lá...http://br.noticias.yahoo.com/especiais/caes_fotos

12 de julho de 2010

ELIZA SAMUDIO REPETE SUA HISTÓRIA FAMILIAR!



" Temos sempre que nos haver com nossa história, se não falamos dela, ela se faz falar por nós...estranhar a repetição, estar atentos para ela, se interrogar sobre ela, nos aproximarmos de seu sentido, das representações em jogo. Esse movimento nos encaminha para a elaboração, que é o momento de reorganização das representações."
Percebo que a história familiar dessa moça é envolvida por um lençol de rejeição. Foi alvo de uma disputa de amor e ódio entre seus pais  sendo separada do amor materno pelo seu pai, para que assim sua mãe fosse punida por ter pleteiado a separação conjugal. Nesta semana, se noticia que seu pai responde a um processo de pedofilia, onde ficou comprovado o abuso sexual e sua autoria. Durante as apariçoes de seu pai, sempre questionei seu jeito frio e previsível em relação ao desaparecimento de sua filha. Em conversa com meu esposo logo no inicio da explosão do caso,questionamos como um pai deixa sua filha ir de um estado para outro,com uma criança nos braços encontrar um cara que já tinha dado sinais de mau caráter e assassino. Meu esposo disse " Jú, se é minha filha eu diria: Você até pode ir, mas eu vou com você!" Acho que seria uma atitude esperada de um pai que ama, tenta e quer proteger!
Hoje ouvindo o PAPO DE GRAÇA com o Caio Fábio, ele disse que esta menina caminhou para a morte sem nenhum medo ( falo do medo que nos protege, que nos faz presentir o mal...), expôs seu filhinho e ainda no caminho para o matadouro acreditava que seu algoz no último momento iria se arrepender e libertá-la! Doce ilusão! Pesadelo!!!
"Olhando a nossa infância percebemos a existência de angústias, de dor, revisitamos as dificuldades, o lado sombrio que existe em qualquer ser, mesmo sendo ele uma criança, às vezes tão pequena. A infância não é um período só cor de rosa, o trabalho interno que cada um tem que trilhar envolve tristeza, incompreensão, solidão, raiva, desejos destrutivos, choro. Quando crianças, temos que achar sentidos para muitas questões que geram muita ansiedade, como entender de onde viemos, para que estamos aqui, para onde vamos, a morte, o sexo, o que é ser menino ou menina, a maldade, a rejeição, o desejo, o limite, o amor..."
"Freud diz que o inconsciente é o infantil. O fato da infância, enquanto tempo externo, já ter passado para um adulto, não significa que enquanto tempo interno, tenha se extinguido. O infantil sobrevive em cada um e se mostra em cenas privilegiadas, nas quais os enigmas mostram a sua face."
Somos resultado da criança que fomos, nossas experiências, afetos e desafetos. Precisamos refletir, questionar certas posições destrutivas e cultivar escolhas saudáveis. A relação de Eliza com Bruno vislumbra muito mais que golpe da barriga, que pensão, dinheiro e status. Mostra-nos uma solitária incapaz de enxergar além dos limites do própio corpo, incapaz de proteger-se. Mostra-nos uma criança desprotegida mesmo nos braços de sua mãe, e que agora talvez desfrute de um pouco mais de afeto e de menos rejeição, pois é alvo também da vontade de uma mãe ( avó) eximir-se da culpa ( consciência pesada) de ter vivido tanto tempo longe de uma filha sem oferecer-lhe proteção, sem ensinar-lhe que o ser mulher vai muito além do próprio corpo, de uma simples transa. Eliza procurou na teia de aranha, justamento o fio da rejeição, da frieza de Bruno assim como demonstrou seu pai frieza por sua mãe. Nesta história, os fios se entrelaçam, se repetem, e Eliza não foi capaz de achar qual dos fios a levaria a  simples felicidade!

Abraço e vida!

endereço do texto em itálico http://www.pedagogico.com.br/

11 de julho de 2010

AMIGO SAUDÁVEL!

Hoje li que os animais de estimação previnem doenças e ajudam no tratamento de muitas delas. A conclusão é dos pesquisadores da Univ. de São Paulo (USP). A equipe juntou uma série de estudos que confirmam os benefícios da companhia de animais de estimação, os cachorros e gatos aparecem como os principais colaboradores. Os documentos reunidos mostram que quem divide a casa com um companheiro de patas costuma ter menos dor de cabeça e resfriados. As crianças bem pequenas apresentaram um aumento na produção de proteínas responsáveis pelas defesas do organismo quando expostos ao convívio de cães antes de completarem 1 ano. As pesquisas apontam ainda beneficios para cardíacos e hipertensos - Jornal  EXTRA de domingo 11/07.

O cachorrinho da foto é meu! Já falei aqui que  peguei-meu-cachorro-na-rua, antes não gostava de bichos, até porque fui criada distante deles, mas o marido sempre gostou e acabou me contagiando...mas o responsável por todo esse amor que hoje sinto por bichos, principalmente cachorros, foi esse cachorrinho tão especial! Falo que quando tiver meus filhos, quero que sejam criados com algum bicho por perto, pois tenho certeza dos benefícios, principalmente emocionais, que um bichinho desse nos dá! E viva a bicharada!
Beijos!

BÍBLIA DA TURMA DA MÔNICA

O projeto “Minha Primeira Bíblia com a Turma da Mônica” terá a famosa turma dos gibis infantis interpretando as histórias da Bíblia. A idéia da Turma da Mônica falar sobre religião foi do criador e desenhista Maurício de Sousa com o Padre Luís Erlin. A Bíblia da Turma da Mônica será distribuida pela editora católica Ave-Maria.


O livro “Minha Primeira Bíblia com a Turma da Mônica” terá histórias mais conhecidas da Bíblia, entre elas a de Adão e Eva, Noé, Abraão, Davi, dos 12 apóstolos, Jesus, entre outras. Cebolinha será Jesus das ilustrações de Maurício de Sousa. Todos os personagens principais e vários secundários da Turma da Mônica participaram do projeto.

Fonte: Gospel+

9 de julho de 2010

CANÇÃO DOS HOMENS

Que quando chego do trabalho ela largue por um instante o que estiver fazendo – filho, panela ou computador – e venha me dar um beijo como os de antigamente.


Que quando nos sentarmos à mesa para jantar ela não desfie a ladainha dos seus dissabores domésticos.

E se for uma profissional, que divida comigo o tempo de comentarmos nosso dia.

Que se estou cansado demais para fazer amor, ela não ironize nem diga que “até que durou muito” o meu desejo ou potência.

Que quando quero fazer amor ela não se recuse demasiadas vezes, nem fique impaciente ou rígida, mas cálida como foi anos atrás.

Que não tire nosso bebê dos meus braços dizendo que homem não tem jeito pra isso, ou que não sei segurar a cabecinha dele, mas me ensine docemente se eu não souber.

Que ela nunca se interponha entre mim e as crianças, mas sirva de ponte entre nós quando me distancio ou me distraio demais.

Que ela não me humilhe porque estou ficando calvo ou barrigudo, nem comente nossas intimidades com as amigas, como tantas mulheres fazem.

Que quando conto uma piada para ela ou na frente de outros, ela não faça um gesto de enfado dizendo “Essa você já me contou umas mil vezes”.

Que ela consiga perceber quando estou preocupado com trabalho, e seja calmamente carinhosa, sem me pressionar para relatar tudo, nem suspeitar de que já não gosto dela.

Que quando preciso ficar um pouco quieto ela não insista o tempo todo para que eu fale ou a escute, como se silêncio fosse falta de amor.

Que quando estou com pouco dinheiro ela não me acuse de ter desperdiçado com bobagens em lugar de prover minha família.

Que quando eu saio para o trabalho de manhã ela se despeça com alegria, sabendo que mesmo de longe eu continuo pensando nela.

Que quando estou trabalhando ela não telefone a toda hora para cobrar alguma coisa que esqueci de fazer ou não tive tempo.

Que não se insinue com minha secretária ou colega para descobrir se tenho amante.

Que com ela eu também possa ter momentos de fraqueza e de ternura, me desarmar, me desnudar de alma, sem medo de ser criticado ou censurado: que ela seja minha parceira, não minha dependente nem meu juiz.

Que cuide um pouco de mim como minha mulher, mas não como se eu fosse uma criança tola e ela a mãe, a mãe onipotente, que não me transforme em filho.

Que mesmo com o tempo, os trabalhos, os sofrimentos e o peso do cotidiano, ela não perca o jeito terno e divertido que tanto me encantou quando a vi pela primeira vez.

Que eu não sinta que me tornei desinteressante ou banal para ela, como se só os filhos e as vizinhas merecessem sua atenção e alegria.

E que se erro, falho, esqueço, me distancio, me fecho demais, ou a machuco consciente ou inconscientemente,

Ela saiba me chamar de volta com aquela ternura que só nela eu descobri, e desejei que não se perdesse nunca, mas me contagiasse e me tornasse mais feliz, menos solitário, e muito mais humano.

- Lya Luft

8 de julho de 2010

FINAL DOS TEMPOS?


Estou estarrecida com o caso do goleiro Bruno, já vi outras histórias tão escabrosas como essa, mas cada vez que esses requintes de crueldade se repetem nas páginas dos jornais, não tem como, fico gelada novamente! Meu Deus! Será o final dos tempos? Você acha que essas maldades sempre existiram mas só não eram tão divulgadas, ou realmente houve um aumento na insanidade humana? Credo! Volta logo Jesus!