18 de novembro de 2009

ADORO MARTIN LUTHER KING!!!

Líder de movimentos que buscavam o respeito aos direitos dos negros e o fim da discriminação racial nos EUA. Luther King liderou protestos pacíficos e conseguiu mudar a situação dos negros em seu país.
Você conhece algum pastor que lutou ou luta por questões de cidadania em favor do povo oprimido e das injustiças que a ele é imputada? Falo de ações reconhecidas pelo governo!
Atualmente ( me desculpe se houver outro que não conheço) conheço o Pr. Antônio Carlos que é líder do Movimento "Rio de Paz" e que sempre se organiza em torno de protestos pacíficos e bem fundamentados em dados estatísticos contra a violência tenebrosa no Rio de Janeiro. Quando faço essa pergunta, a faço refletindo sobre a postura dos que dizem pregar o Amor de Deus, me incluindo nesse "bolo", digo que o amor de Deus precisa ser demonstrado em atos de cidadania que me levam a uma luta coletiva em favor não só de mim mas do meu próximo, diferente disso, não existe Reino de Deus, existe o "meu reino", onde o que se vive é o meu comodismo e minha individualidade. Martin era um pastor negro que colocou em risco sua vida e de sua família em favor de um bem comum, de uma consciência politizada e legalmente reconhecida!
Na semana da "Consciência Negra", deixo aqui minha declaração de amor e agradecimento a Martin Luther King, um homem que não teve medo de morrer e que inspirado em Jesus fez do seu modo de vida uma inspiração para todos nós!







Imagem cedida por National Archives and Records Administration
Aproximadamente 250 mil pessoas participaram da Marcha para Washington em 1963
Por Empregose Liberdade 28 de Agosto de 1963   "Eu Tenho Um Sonho"
Essa mensagem marca o local exato onde o Dr. King fez o seu mais famoso discurso falando para cerca de250 mil pessoas de várias raças que marcharam para Washington em apoio aos direitos civis. Exposta em 22 de agosto de 2003, no quadragésimo aniversário da Marcha para Washington, essa inscrição comemora um homem, seu trabalho e um legado vivo. Assassinado em 1968, Martin Luther King Jr. é uma das figuras mais notáveis do movimento pelos direitos civis americanos.


A coragem inabalável, a obsessão pela luta pacífica e o gosto pelo diálogo franco não são as únicas marcas da extraordinária trajetória de Martin Luther King. Sua retórica notável, capaz de mobilizar multidões emocionadas, foi o elemento-chave para divulgar a causa dos direitos civis nos Estados Unidos. O dom de cativar e inspirar as platéias - revelado e aperfeiçoado nos púlpitos dos templos batistas do sul do país - transformou um movimento político-social numa jornada de elevação espiritual para milhões de negros americanos.


  
Boicote ao transporte público segregado de uma cidade do Alabama foi o ponto de partida para solidificar a liderança de Martin Luther King na causa dos direitos civis nos EUA.



Em 1º de dezembro de 1955, a costureira Rosa Parks recusou-se a ceder seu assento (na seção reservada aos negros) a um homem branco em um ônibus municipal de Montgomery, no Alabama, conforme determinavam as leis segregacionistas do estado. Informada pelo motorista que acabaria presa caso não repensasse sua decisão, a mulher de 42 anos preferiu ser levada para a cadeia - e, posteriormente, a julgamento. Sua prisão silenciosa fez o Conselho Político Feminino da cidade propor aos negros da cidade um dia de boicote aos ônibus municipais, na exata data em que Rosa Parks deveria comparecer ao tribunal, 5 de novembro. Sua esdrúxula condenação pelo júri levou à formação imediata da Montgomery Improvement Association (MIA), para coordenar as ações seguintes, incluindo a extensão do boicote e o questionamento legal da constitucionalidade da lei de segregação no transporte público. Para não melindrar nenhum ativista local, a presidência da entidade foi entregue a Martin Luther King, que desembarcara havia pouco na cidade como pastor da Igreja Batista da Avenida Dexter. O líder viu a missão como uma oportunidade de melhorar as relações entre as raças e, por tabela, a situação de Montgomery.





Na cena do crime: King (o terceiro da esq. para a dir.) na sacada do Lorraine; um dia depois, ele morreria naquele exato local.


"O QUE ME PREOCUPA NÃO É O GRITO DOS MAUS E SIM O SILÊNCIO DOS BONS"

"APRENDEMOS A VOAR COMO PÁSSAROS E A NADAR COMO PEIXES, MAS NÃO  APRENDEMOS A CONVIVER COMO IRMÃOS"
Martin Luther King

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Obrigada pela visita!