25 de setembro de 2009

Situações tristes aproximam pessoas

Você poderá ver ao lado uma foto de meu pai aos 82 anos com suas três filhas. Esta foto foi tirada há um mês e meio quando soube que meu pai não estava muito bem de saúde. Preocupadas, eu e minha irmã arrumamos tudo depressa e partimos para São Fidélis, lugar também conhecido como cidade "Poema". Naquele dia, nenhum poema alegrou meu coração, pois a ansiedade de saber como meu pai estava era intensa, tirando de mim qualquer espírito poético. Lá, reencontraríamos meu pai e minha irmã caçula depois de um bom tempo sem nos vermos. Meu coração se confortou em saber que a situação de meu pai é preocupante, mas menos fantasmática do que imaginava! O bom disso tudo foi que revi meu pai e minha irmã caçula juntamente com minha irmã mais velha e tiramos essa foto. Olhando justamente para essa foto me pergunto por que às vezes nos envolvemos com outras coisas e não nos aproximamos de quem amamos? Por que somente quando surge uma situação de desespero é que nos remetemos impetuosamente para aquilo que já deveríamos ter feito há muito tempo? O conforto gera descanso, o atrito locomoção. Nossas melhores obras são realizadas em meio a momentos intensos, em meio a tempestades damos o nosso melhor, reconhecemos o amor, a solicitude, a prontidão, a substituíção...

Um comentário:

  1. Situações desesperadoras nos colocam diante do fim, nos forçam a encarar a nossa finitude e é aí que o melhor de nós aparece. Tive a honra de conhecer uma pessoa que tinha a morte diante de si todos os dias e que por isso viveu esplendidamente... O ideal seria que tivéssemos os olhos abertos para contemplar a nossa morte e a morte do outro para que então sempre déssemos o melhor de nós mesmos.
    bjs Ju VAI NESSA TUA FORÇA amiga!!!

    ResponderExcluir

Olá! Obrigada pela visita!